Peptídeos de colágeno marinho: eficácia e versatilidade na manipulação

Peptídeos de colágeno marinho: eficácia e versatilidade na manipulação

O colágeno está naturalmente presente no corpo humano e representa cerca de 25% a 30% do total de proteínas do nosso organismo, sendo essencial para a saúde da pele, dos ossos, das articulações, e até mesmo das unhas e dos cabelos. Existem mais de 20 tipos de colágeno, mas os principais são os tipos I, II e III.

A dificuldade em garantir que a quantidade de colágeno ingerida exclusivamente através da alimentação seja suficiente para o bom funcionamento do nosso organismo, faz com que a suplementação oral de colágeno seja uma alternativa eficiente e que vem sendo utilizada para a manutenção da saúde e da beleza.

Geralmente encontramos o colágeno sendo comercializado de 2 formas:

Colágeno Hidrolisado: A estrutura básica da proteína de colágeno é formada por 3 cadeias de polipeptídeos (aminoácidos interligados entre si, geralmente Glicina, Prolina e Hidroxiprolina) denominadas alfa-hélices, entrelaçadas em formato helicoidal que por sua vez irão se organizar através de um processo complexo a fim de formar as fibras colágenas. O colágeno hidrolisado nada mais é que a redução ou a “quebra” do colágeno In Natura, em fragmentos menores através de um processo conhecido como “hidrólise”. Este processo possui a finalidade de melhorar sua absorção pelo organismo. Uma vez que esta “quebra” geralmente não é realizada de forma padronizada, e o colágeno hidrolisado apresenta uma composição heterogênea com vários tamanhos diferentes de moléculas, o que na prática, acaba por dificultar sua absorção e sua eficácia, e por isso possui um custo inferior.

Peptídeos de Colágeno: Obtido a partir do colágeno hidrolisado, estas moléculas de colágeno são “quebradas” e “escolhidas” seletivamente, apresentando peso e tamanho inferiores ao encontrado no colágeno hidrolisado, variando de 2 a 100 aminoácidos enquanto a molécula de colágeno possui ~3000 aminoácidos. Isso melhora sua biodisponibilidade e biocompatibilidade, facilitando sua quebra e absorção pelo organismo. Uma vez no organismo, os peptídeos são separados em forma de aminoácidos livres são direcionados pelo organismo para o local onde eles forem mais necessários, podendo ou não se estruturarem novamente em forma de colágeno. Mesmo assim, sua eficácia (e custo) é superior ao colágeno hidrolisado.

Tripeptídeos de Colágeno: São comumente formados por uma combinação de 3 aminoácidos essenciais na estruturação da molécula de colágeno – Glicina, Prolina e Hidroxiprolina, sendo considerados o menor fragmento de uma molécula de colágeno. Assim como os peptídeos de colágeno, são melhor absorvidos pelo organismo. A diferença, é que os tripeptídeos não são digeridos ou “quebrados” em aminoácidos livres, sendo absorvidos no organismo através de um transportador VIP e desta forma sendo reconhecidos pelo corpo humano como parte integrante de uma molécula de colágeno, assim, a probabilidade de que se reestruturem novamente dentro do organismo em forma de colágeno é muito maior. Estes tripeptídeos são normalmente encontrados em baixíssimas doses dentro dos próprios peptídeos de colágeno já conhecidos, porém não possuem padronização de concentração dentro destes compostos.

 

Principais fontes de colágeno

Tanto o colágeno hidrolisado quanto os peptídeos de colágeno, são extraídos da pele, cartilagens e ossos de animais, de origem suína, bovina ou até mesmo de aves ou peixes. Após sua extração, o colágeno In Natura passa pelo processo de hidrólise, dando origem ao colágeno hidrolisado como vimos acima.

No entanto, dentro de um processo de produção em massa pode haver muito desperdício, o que vai na contramão de quem busca por produtos e soluções de consumo mais sustentáveis.

 

MoriKol® – fonte sustentável e “clean label” de colágeno marinho

Comercializado com exclusividade para o mercado nacional pela VPK Farma, MoriKol® é uma alternativa sustentável e mais eficiente aos peptídeos de colágeno tipo I tradicionais encontrados no mercado brasileiro. MoriKol®, difere de outros peptídeos de colágeno por ser de origem marinha, sendo obtido através de peixes de águas mornas, além disso, MoriKol® é um produto Clean Label (Non-GMO / Non- Irradiated/ Non -ETO/ BSE-Free/ TSE- Free/ Halal e Kosher certified), sendo desenvolvido a partir de uma política de 0 desperdício, focada na sustentabilidade e no meio ambiente.

 

MoriKol® – padronização comprovada de no mínimo 15% de tripeptídeos de colágeno

Apenas MoriKol® possui padronização comprovada de no mínimo 15% de tripeptídeos de colágeno em sua composição. Além disso, possui baixo peso molecular (~1500Da) proporcionando uma maior biodisponibilidade e biocompatibilidade com o organismo quando comparado a outros peptídeos de colágeno tipo I. Veja os benefícios:

– Maior eficácia em menores dosagens. A partir de 500mg ao dia;
– É versátil e pode ser manipulado em diversas formas farmacêuticas: pó, gomas, cápsulas, sachês, shots, dentre outras;
– Resultados mais rápidos (comprovados!): a partir de 6 semanas de utilização;
– Possui ação comprovada na inibição das metaloproteinases (MMPs) geradas pela exposição à radiação UVB;
– Promove alta hidratação cutânea;
– Aumenta a elasticidade cutânea;
– Diminui e previne a rugosidade da pele;

MoriKol® é um produto exclusivo VPK Farma e pode ser encontrado nas farmácias de manipulação de todo o país. Para obter melhores resultados, MoriKol® pode ser inserido em um protocolo de tratamento de uso IN/OUT em conjunto com REALLAGEN™, nosso Booster Biomimético de Colágeno Tipo III.

saúde óssea

Como você está cuidando de sua saúde óssea? Veja algumas dicas.

Você já parou para pensar na importância dos ossos do nosso corpo?

O ser humano tem muita sorte de estar edificado sobre um esqueleto sólido e resistente. Os nossos 206 ossos, além de sustentar o corpo e proteger os órgãos internos, proporcionam uma estrutura sobre a qual atuam os músculos, responsáveis pelos nossos movimentos.

O sistema músculo-esquelético, constituído por ossos, músculos, tendões, ligamentos e outros componentes das articulações, é o engenho mecânico mais completo já projetado pela natureza. Os ossos estão preparados para resistir a movimentos fortes e bruscos.

 

A saúde óssea comprometida

A osteoporose, caracterizada pela fragilidade óssea, é o principal problema relacionado aos ossos, que em estágios mais avançados da doença, chega a causar fraturas espontâneas, sem traumas ou quedas. Além disso, também pode provocar dor, perda de movimentos e diminuição da qualidade de vida.

A saúde óssea precisa de proteção, e conforme vamos envelhecendo, a atenção deve ser redobrada, especialmente entre as mulheres. A incidência da osteoporose aumentou nos últimos anos, com uma expectativa de vida cada vez maior e uma população que está envelhecendo. Sem ações preventivas, as gerações futuras podem viver mais, mas sua qualidade de vida pode ficar comprometida.

De acordo com profissionais da área de reumatologia e ortopedia, a perda óssea acelera durante a menopausa e as mulheres maiores de 50 anos são especialmente suscetíveis aos efeitos da doença. Mas é possível antecipar-se a esse risco para prevenir e controlar a osteoporose. Em qualquer idade, as estratégias de prevenção devem incluir uma combinação de exercícios específicos, uma dieta e suplementação para manter a saúde óssea e ações para evitar fatores negativos em seu estilo de vida.

 

Quer ficar em dia com sua saúde óssea?

1. Prática de exercícios físicos

Fazer exercícios três ou quatro vezes por semana é uma excelente dica, podendo intercalar com exercícios de resistência e peso. A prática de exercícios físicos ajuda a aumentar a força muscular, melhora o equilíbrio e a postura, alivia a dor, melhora a sensação de bem-estar e ajuda na execução das tarefas e atividades diárias.

A caminhada e a dança também são boas opções, além de melhorar o humor e a qualidade de vida.

2. Evite hábitos negativos, como fumar e o consumo excessivo de álcool, e mantenha um peso saudável

Fumar e consumir álcool é ruim para a saúde no geral, especialmente a saúde óssea. Fumar evita que o corpo absorva eficientemente o cálcio, diminuindo a massa óssea. Na verdade, os fumantes estão em maior risco de fraturas do que os não fumantes.

Mulheres que estão abaixo do peso correm maior risco de ter osteoporose do que as mulheres com a massa corporal normal. Mas atenção! O peso corporal ideal não depende apenas do peso na balança, mas de uma relação entre altura, massa óssea, massa muscular e gordura, podendo variar de indivíduo para indivíduo.

3. Siga uma dieta saudável para os ossos

O cálcio é um dos nutrientes mais importantes para melhorar sua densidade óssea. Nossos ossos são feitos de cálcio, de modo que este nutriente é essencial para prevenir doenças ósseas. O consumo diário de sardinhas, vegetais verdes-escuros, produtos lácteos orgânicos, frutos secos e produtos de soja fortificados, como o tofu, são grande fonte de cálcio.

A vitamina D é outro nutriente essencial que melhora a saúde óssea e reduz o risco de osteoporose. Além disso, ela também ajuda o corpo a utilizar melhor o cálcio. Podemos obtê-la em uma dieta comendo ovos, salmão, sardinhas e alimentos enriquecidos, como cereais e suco de laranja. Nosso corpo também produz vitamina D com exposição moderada ao sol, portanto, aproveite um tempinho ao sol durante o início da manhã.

A vitamina K proporciona um impulso ao nível de densidade mineral óssea. Esta vitamina específica ajuda o corpo a produzir proteínas para ossos saudáveis e reduz a quantidade de cálcio que é excretada pelo organismo. Os alimentos ricos em vitamina K incluem couve, couve-de-bruxelas, nabos, produtos lácteos fermentados, brócolis e ameixas secas.

Para melhorar a saúde óssea, é importante comer alimentos ricos em magnésio todos os dias. O magnésio é necessário em mais de 325 sistemas enzimáticos no corpo que controlam milhares de interações químicas e também são vitais para a saúde óssea. Grandes fontes desse mineral são amêndoas, abacates, feijões, bananas, sementes de abóbora, tofu, leite de soja, nozes, nozes, batatas com pele, iogurte, grãos integrais e vegetais de folhas verdes.

A vitamina C também ajuda a prevenir a perda de densidade mineral óssea. O colágeno é a principal proteína nos ossos, e a vitamina C desempenha um papel importante na síntese de colágeno. Para obter mais dessa vitamina em sua dieta, coma frutas e vegetais, como pimentões, laranjas, brócolis, morangos, couves-de-bruxelas, kiwi, abacaxi e couve-flor.

4. Suplementação saudável

Nos dias de hoje, a suplementação via oral com formulações manipuladas é considerada uma forma saudável de repor os nutrientes que muitas vezes não provêm da nossa dieta alimentar. Existem situações nas quais só o alimento não consegue garantir essa oferta. Nesses casos, o suplemento alimentar pode ajudar a suprir o déficit.

Além das vitaminas e minerais, alguns outros ativos possuem ações específicas na saúde óssea e das articulações, como por exemplo a glucosamina e a condroitina. O colágeno tipo II não desnaturado age juntamente com o sistema imunológico para manter as articulações saudáveis, promovendo sua mobilidade e flexibilidade, e prevenindo e reduzindo casos de inflamações e lesões.

Para cuidar de sua alimentação e da sua suplementação, procure um médico ou nutricionista especialista na área.

5. Você deve evitar…

O café tem alguns benefícios para a saúde quando consumido em quantidades limitadas, mas muita cafeína não é boa para os ossos. O excesso pode interferir com a capacidade do corpo de absorver cálcio, o que é vital para uma boa saúde óssea.

O sal provoca excreção excessiva de cálcio através dos rins. Na verdade, muito sal parece ser um fator de risco para a fragilidade óssea. Melhore a condição dos seus ossos, limitando a ingestão de sal.

Não deixe de dar atenção a saúde dos ossos! Este cuidado é importante para que eles estejam saudáveis e fortes durante a sua vida.

 

 

como-voce-esta-cuidando-de-sua-saude-ossea-veja-algumas-dicas

 

 

Como evitar ou tratar as estrias

É possível tratar ou evitar as estrias?

As estrias são conhecidas como cicatrizes que se formam quando há um estiramento repentino da pele, devido à quebra das fibras elásticas que sustentam sua camada intermediária. E embora o problema possa afetar qualquer pessoa, as mulheres ainda são as que mais sofrem com ele.

Estima-se, por exemplo, que mais de 50% das mulheres passam a ter estrias durante a gravidez, mas o estiramento também pode ocorrer por outros motivos. Além disso, as áreas mais comuns para o seu aparecimento são: coxas, quadris, seios, abdomem, parte superior dos braços e na parte inferior das costas (flancos). Vale destacar que, apesar de não serem fisicamente perigosas, as estrias costumam causar problemas de auto-imagem e ansiedade, configurando, para algumas pessoas, uma preocupação estética significativa, que pode afetar a vida cotidiana.

Sinais e sintomas
Muita gente não percebe, mas antes das estrias começarem a surgir, a pele pode apresentar sinais de irritação ou coceira.
As marcas inicialmente se desenvolvem como riscas rugosas e em alto relevo, que podem ser vermelhas, roxas, cor-de-rosa, castanho avermelhado ou castanho escuro, dependendo da cor da pele. Essas faixas tendem a se achatar e a mudar para uma cor esbranquiçada ao longo do tempo.

Causas e fatores de risco
Como já dissemos, a gravidez é uma das principais causas de estrias, mas o crescimento excessivo da pele ou o seu encolhimento, por diversos outros motivos, também podem favorecer o seu aparecimento. Outras causas bem comuns, são:

• Puberdade: o crescimento rápido é típico em jovens passando pela puberdade. Isso pode levar a estrias;
• Ganho de peso rápido: engordar bastante em um curto espaço de tempo pode causar estrias;
• Condições médicas: certas condições podem causar estrias, como a síndrome de Marfan e a síndrome de Cushing. A síndrome de Marfan pode levar à diminuição da elasticidade no tecido da pele, e a síndrome de Cushing pode levar o corpo a aumentar a produção de um hormônio que leva ao aumento rápido de peso e à fragilidade da pele;
• Uso de corticóides: o uso prolongado de cremes e loções a base de corticóides pode diminuir os níveis de colágeno na pele. Como o colágeno fortalece e dá suporte à pele, sua redução pode aumentar o risco de estrias;

Entendendo a formação das estrias
A pele consiste em três camadas-chave. As estrias se formam na derme ou na camada intermediária, quando o tecido conjuntivo é esticado para além dos limites da sua elasticidade. Isto ocorre, normalmente, devido à rápida expansão ou contração da pele. À medida que o corpo cresce, as fibras de conexão na derme se estendem lentamente para acomodar esse crescimento lento. No entanto, se o crescimento acontece de forma rápida, o alongamento é súbito. Isso faz com que a derme se solte, permitindo que camadas mais profundas de pele se mostrem.

Cremes, óleos e preparações tópicas
Alguns tratamentos tópicos podem melhorar bastante a aparência das estrias, principalmente se forem usados produtos que estimulam a produção de colágeno. Tais produtos conseguem reorganizar as fibras elásticas e diminuir o comprimento e a largura das estrias. Mas, se você ainda não sofre com o problema, saiba que também é possível evitá-lo, com algumas medidas simples:

• Mantenha seu peso estável;
• Evite dietas que favoreçam o “efeito sanfona”;
• Tenha uma alimentação balanceada e rica em vitaminas e minerais. Consumir uma quantidade adequada de vitaminas A e C, por exemplo, pode ajudar a reforçar a sustentação da pele; inclua também alimentos ricos em minerais como zinco e silício;
• Mantenha a pele sempre hidratada e umectada;
• Beba de seis a oito copos de água todos os dias.

____
Se você é farmacêutico ou prescritor, conheça o Liftonin-Xpert, um potente ativador da síntese de colágeno que demonstrou, através de estudos in vivo, ser capaz de diminuir em até 53% o volume das estrias. Fale com nossos vendedores.

Cuidados necessários com a pele tatuada

Cuidados necessários com a pele tatuada

Se antigamente as tatuagens eram um tipo de expressão reservado para tribos indígenas, soldados, marinheiros, punks e ex-condenados, atualmente elas dispararam em popularidade e estão presentes em todos os grupos sociais.

Para se ter ideia da expansão deste mercado, só aqui no Brasil, entre os meses de janeiro de 2016 e janeiro de 2017, foi observado um aumento de 24% no número de estúdios de tatuagem regularizados no país. Os números são do Sebrae.

No entanto, apesar do crescimento deste mercado, ainda existem pouquíssimos produtos voltados especificamente para este público, o que faz com que muitos cuidados pós-procedimento sejam negligenciados.

Portanto, se você tem tatuagem e quer vê-la bonita, com os pigmentos sempre vivos e os traços inalterados, fique atento a alguns cuidados importantes:

  • Cuide da higiene: a tatuagem, nada mais é, do que uma série de perfurações feitas na parte superficial da pele, para que a tinta possa ser colocada nas camadas mais profundas. Logo, oferece riscos de infecção, caso não sejam tomados os cuidados necessários com a higiene. Portanto, se a sua tatuagem é nova, nunca toque nela sem antes lavar as mãos e sempre use um sabonete antisséptico para limpar o local tatuado.

 

  • Hidrate sempre: para manter sua tatuagem sempre bonita e com as cores vivas, aposte em bons cremes hidratantes e reparadores, que estimulem a produção de colágeno. Existem produtos e ativos que são ideais para essa função, pois além de reparar a pele sensibilizada ainda ajudam a aliviar a sensação de desconforto causada nos primeiros dias, acalmando e suavizando a pele.

 

  • Proteja-se do sol: a exposição solar prejudica a tatuagem, pois reduz a intensidade da cor e a definição dos traços. Sabendo disso, nunca se esqueça de aplicar o filtro solar na área tatuada e reaplique-o ao longo do dia, principalmente quando for ficar exposto ao sol por mais tempo.

 

  • Não coce o local: todo processo de cicatrização provoca coceira e aquelas casquinhas que se formam para cobrir a região machucada.  Mas é necessário resistir a essas duas tentações: nunca coce o local tatuado, nem arranque essas casquinhas. São elas que ajudam a proteger a pele e a garantir uma boa recuperação.

 

  • Evite a praia: praias ou piscinas são sempre passeios interessantes, principalmente nesta época do ano. Mas se você fez uma tatuagem recentemente, talvez seja prudente declinar dos convites, pelo menos no início, enquanto a cicatrização não estiver completa. Depois, o passeio está liberado desde que, claro, você abuse do protetor solar.

Seguindo essas dicas, você não verá suas tatuagens perderem a qualidade e não vai precisar reformá-las ou cobri-las com o passar dos anos.

——

Se você é farmacêutico ou prescritor, aproveite e conheça o Liftonin-Xpert, um ativo muito eficaz para o tratamento da pele tatuada. Por ser um potente ativador da síntese de colágeno, ele reduz os sinais de vermelhidão e inflamação da pele, ajuda a manter as cores da tatuagem vivas e intensas por mais tempo e ainda oferece um efeito calmante imediato sobre a pele recém-marcada.

Publicado em:

dezembro 11, 2020

Compartilhar

Telefone / Fax: +55 (11) 4671-9200

Telefone: 0800 940 3210

E-mail: [email protected]