Você já trabalha com a manipulação de formulações transdérmicas na sua farmácia? Apesar de não ser um conceito novo, a manipulação transdérmica ainda pode representar um desafio a ser superado no seu dia-a-dia.

Os primeiros sistemas transdérmicos foram aprovados oficialmente pelo FDA (Food and Drug Administration) em 1979, na forma de patches. Desde então, estes sistemas vêm sendo aprimorados e novas soluções desenvolvidas. Nas farmácias de manipulação, os sistemas transdérmicos evoluíram desde formulações do tipo PLO (Pluronic Lecithin Organogel) que demandavam uma farmacotécnica demorada e complexa, até veículos semi-elaborados de última geração.

Por definição, os sistemas transdérmicos são caracterizados por serem sistemas capazes de atravessar o estrato córneo (epiderme) e liberar substâncias ativas na circulação sistêmica. A passagem dessas substâncias para a circulação pode ocorrer através de 3 vias:

 

 

1 – Via intercelular – penetração entre os corneócitos, através da matriz lipídica.

2 – Via transcelular ou intracelular – através dos corneócitos.

3 – Via transanexal ou transanexial – através dos apêndices cutâneos, correspondendo a apenas 0,1% das vias de penetração.

Podemos considerar que algumas tecnologias transdérmicas possuem mais de 1 via de ação, que alternam ou se combinam para promover a liberação gradual e otimizada de fármacos. Bases com este tipo de tecnologia híbrida tendem a ser mais eficientes do que bases que atuam através de apenas 1 via de permeação.

Após abordarmos de forma suscinta o panorama básico dos sistemas transdérmicos, veremos a seguir as 5 principais vantagens da manipulação transdérmica para a sua farmácia.

 

1. Alternativa segura e indolor de entrega de fármacos 

A utilização de sistemas transdérmicos é completamente segura e indolor. Formulações transdérmicas facilitam a adesão ao tratamento de pacientes pediátricos, geriátricos, acamados, ou com dificuldades de deglutição. São também uma boa alternativa para pacientes que necessitam de alguns medicamentos injetáveis.

 

2. Ausência do metabolismo de primeira passagem

Medicamentos ingeridos por via oral passam pelo sistema gastrointestinal, onde interagem com enzimas digestivas, bebidas, alimentos e outros fármacos. Tais interações tendem diminuir a biodisponibilidade e facilitar a degradação dos medicamentos ingeridos por esta via.

 

3. As substâncias são entregues ao o organismo de maneira constante

Medicamentos quando administrados via oral, devido ao seu processo de metabolização no organismo, geralmente, não possuem uma constância na liberação de fármacos. Portanto, a absorção destas substâncias pode variar ao longo do dia.

Isso não ocorre em alguns sistemas transdérmicos. A liberação de fármacos por via transdérmica acontece de forma gradual e constante, sendo, portanto, mais eficiente.

 

4. Ausência dos efeitos gastrointestinais

Efeitos colaterais gastrointestinais como dispepsia, ulceração, constipação, náuseas, obstrução, sangramento e etc, podem ocorrer com medicamentos administrados por via oral. Terapias transdérmicas não apresentam efeitos gastrointestinais.

 

5. Aumenta a adesão de pacientes em tratamentos multidrogas

Os sistemas transdérmicos proporcionam melhor qualidade de vida e são excelente alternativa para pacientes que necessitam da ingestão diária de múltiplos medicamentos, aumentando a sua adesão ao tratamento e diminuindo as chances de interrupções.

 

Inner Base® – Tecnologia híbrida de penetração transdérmica

Inner Base® é a mais nova integrante do portfólio de bases funcionais (VPK Bases) da VPK Farma. Inner Base® possui uma tecnologia híbrida de penetração transdérmica atuando a partir das 3 principais vias de penetração cutânea (intercelular, transcelular e transanexal), garantindo à terapia uma ação “Controlled Release” que permite a liberação gradual e sustentada de fármacos por um período de tempo prolongado (long lasting).

Quer saber mais? Faça o download de nosso material técnico